sábado, 12 de outubro de 2013

Quando o Sono Não Chegar








Neste quarto de fogo solitário 

No telhado um letreiro esfumaçado 
Candeeiro no peito iluminado 
O cigarro no dedo incendiário 
O cinzeiro esperando o comentário 
Da palavra carvão fogo de vela 
Meus dois olhos pregados na janela 
Vendo a hora ela entrar nessa cidade 
Tô fumando o cigarro da saudade 
E a fumaça escrevendo o nome dela
O prazer de quem tem saudade 
é saudade todo dia
O prazer de quem tem saudade 
é saudade todo dia
Ela é maltratadeira 
Além de ser matadeira 
ô saudade companheira 
De quem não tem companhia
Eu vou casar com a saudade 
Numa madrugada fria 
Na saúde e na doença 
Na tristeza e na alegria
Quando o sono não chegar 
No mais distante lugar 
No deserto beira mar 
Dia e noite noite e dia.

Quando o Sono Não Chegar, Cordel do Fogo Encantado.